[RESENHA] O Último dos Canalhas – Loretta Chase

Olá Estrelas!!!

Quando peguei este livro pra ler não achei que fosse gostar tanto quanto gostei do primeiro que a editora Arqueiro lançou que foi O príncipe dos canalhas,  mas amei e adorei cada pagina lida e espero ansiosamente pelas continuações.

Sinopse:


O devasso Vere Mallory, duque de Ainswood, está pronto para sua próxima conquista e já escolheu o alvo: a jornalista Lydia Grenville. Só que desta vez, além de seduzir uma bela mulher, ele deseja também se vingar dela.

Ao se envolver numa discussão numa taverna, Vere foi nocauteado por Lydia e se tornou alvo de chacota de toda a sociedade. Agora ele quer dar o troco manchando a reputação da moça.

Mas Lydia não está interessada em romance, principalmente com um homem pervertido feito Mallory. Em seus artigos, ela ataca nobres insen- satos como ele, a quem considera a principal causa dos problemas sociais.

Nesse duelo de vontades, Vere e Lydia se esforçam para provocar a der- rota mais humilhante ao mesmo tempo que lutam contra a atração que o adversário lhe desperta. E, nessa divertida batalha de sedução e malícia, resta saber quem será o primeiro a ceder à tentação.

Resenha:

Quando lorde Vere Mallory, o Duque de Ainswood, apareceu em O príncipe dos canalhas, eu não fiquei nada impressionada por ele e não pensei que fosse gostar tanto dele quanto gostei ao ler seu livro eu não pude vê-lo como o herói em qualquer livro pois ele me pareceu muito arrogante em sua apresentação.

Depois de ler O último dos canalhas, eu me retifico ele é maravilhoso. Não demorou muito pra ele começar a sofrer tudo que ele tinha direito logo no inicio. Loretta me cortou o coração logo no inicio com sua perseguição ao sofrimento de Vere e fez um trabalho maravilhoso, que mostra o quanto ele foi afetado pela linha de mortes que tirou de sua família os que ele mais amava e mesmo antes de ler o resto do livro, eu sabia que ele era um dos “mocinhos” e seu comportamento “infernal” foi apenas um ato de rebeldia com o destino. 
Quanto à heroína, Lydia Grenville, ela era uma verdadeira durona. Uma solteirona de 28 anos de idade, mais alta que a média, inteligente, auto-confiante e na posse de uma língua afiada – e punhos rápidos – que tinha condenado Vere desde o início. 
A história se desenvolveu muito bem, com uma série de artimanhas “inofensivas” que colocaram Vere e Lydia juntos e se manteve construindo uma atração fortissima entre eles, até o ponto em que nenhum dos dois podia negar o que sentiam um pelo outro sem machucar a eles mesmo – não importa quanto irritados se sentissem a respeito. 
Eu amei o seu diálogo e da forma como um tentou passar a perna a outra foi realmente divertido ver o jogo que um fazia com o outro. Eu amei os apelidos que ele inventou pra ela. O jeito ferino dela se dirigir a ele, tudo me cativou, inclusive a história paralela entre  Bertie Trent e Tansin, no livro anterior eu queria que Bertie partisse dessa pra melhor mas amei ele neste livro ele realmente me surpreendeu. 
Ainda neste livro teremos a presença de Dain, sua esposa e filho que veio cair perfeitamente na história. Em resumo, eu realmente amei este livro e recomendo a todos que ama um romance de época.

Valery

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *