[RESENHA] – Colega de quarto – Victor Bonini

Boa tarde, estrelas, como estão?
A resenha de hoje é sobre um livro de suspense e olha só!, eu adorei!
Não costumo ler muitos livros desse gênero, mas esse eu realmente gostei muito. Vamos?

Sinopse: 
Eric Shatz, carioca que se mudou para São Paulo por conta do curso universitário, começa a perceber indícios de que há mais alguém frequentando o seu apartamento.

Primeiro, surge um novo par de chinelos.
Então uma outra escova de dentes. Depois, um micro-ondas que é ligado sozinho durante a noite, barulhos estranhos a qualquer hora e luzes que se apagam de modo misterioso.

Até que, num final de tarde, Eric enxerga o vulto do colega de quarto entrar em seu apartamento pela porta da frente.

Desesperado, o rapaz vai atrás de um detetive particular, mas parece ser tarde demais. Em menos de 24 horas, tudo acontece de modo acelerado e depois de uma ligação desesperada, cortada abruptamente, Eric despenca da janela de seu apartamento.

Em seu livro de estréia, o autor nos apresenta uma história urbana de tirar o fôlego. Um mistério que passa por uma relação familiar complicada, suspeitas por todos os lados, e camadas e camadas de culpados. Há alguém inocente?

Resenha: 


Começando do princípio… Eu li o nome do livro e logo de cara pensei “Tem espíritos na história, gostei!”.
Devorei o livro em dois dias, a escrita é uma delicia, fácil e com um vocabulário gostoso de ler, não é algo que cansa a nossa vista e que nos deixa com preguiça de continuar.
Adorei a  textura das páginas mais grossas também, dá a impressão de que o livro é bem grande, mas na verdade, há páginas em uma quantidade relevante, normal!

Bom, vamos à história, Eric, herdeiro de uma familia com muitas posses, começa a estranhar alguns acontecimentos em seu apartamento. Nascido no Rio de Janeiro, se muda para São Paulo para cursar Direito, estuda na mesma universidade que seu melhor amigo de infância Zeca.

Depois de uma tarde conturbada com muitos acontecimentos “sobrenaturais”, Eric se desespera e toma uma medida que seria – pelo menos ele acreditava que sim – o fim dos seus problemas, foi até o escritório de Conrado Bardelli, um advogado conhecido, pedir seus serviços de detetive.
Conrado, já cansado, as 2h da manhã, ouviu o garoto, porém não deu muito crédito á nenhuma das coisas ditas… Eric saiu transtornado de seu escritório e foi embora, nessa mesma madrugada, Bardelli recebeu uma ligação de desespero do garoto de apenas 22 anos, mal sabia que seria sua última chamada com ele, dizendo que estava cansado de tudo aquilo e que “ele” estava lá!

Eric foi encontrado ao amanhecer do dia, morto, após cair do 15° andar do prédio Royal Residence!

Bardelli foi acionado por um colega do ramo, o delegado Wilson, dizendo o que tinha acontecido com o garoto que por ventura tinha realizado uma última chamada antes do acidente, para ele.

Ai começam as investigações do fato, o garoto se jogou ou foi jogado? Quem ou o que era o “Colega de quarto”? Quem estava envolvido nessa história? Quem era a familia de Eric? E seus melhores amigos?

Conrado foi, desde o inicio, muito preciso. Pesquisou, uniu dados e informações. Ligou, marcou encontros e reuniões com todos… A mãe de Eric, o psicólogo, o amigo de infância, o amigo do prédio, a ex-namorada… Conversou com os porteiros, sindico do prédio, zeladora e moradores, atrás de qualquer informação e indícios sobre a sanidade e comportamento do garoto.

Após idas e vindas, conversas e deduções com todos esses personagens, o detetive decide passar uma noite no apartamento de Eric, digamos que seria uma pesquisa de campo, para tentar deduzir o que de fato acontecia ali.
Ele fez uma varredura pelo apartamento todo, procurando qualquer pista. Ele já tinha alguns suspeitos em mente, mas queria provas que incriminassem os mesmos, caso fossem culpados.
Até o momento em que foi dormir, não aconteceu nada de extraordinário, porém, quando fechou os olhos para se ajeitar, percebeu que algo de errado havia em seu travesseiro e ao abrir a fronha, encontrou 400,00 reais em notas e isso o fez refletir, quando voltou a posição inicial na cama, o micro-ondas disparou e logo em seguida a descarga também… Bardelli logo de cara, saiu furioso do apartamento, desceu um andar e bateu repetidas vezes no apartamento que ficava exatamente abaixo do de Eric. Dênis abriu a porta e o advogado entrou e se dirigiu direto para a cozinha, comprovando o que já suspeitava…

A partir dai, o acidente é desvendado com sucesso pelo detetive.
O final é surpreendente, eu jamais imaginaria esse desfecho, o mais engraçado é que, nós os leitores é quem criamos o final, nós que escolhemos em que acreditar, mesmo depois de todas as evidências terem sidos colocadas à mostra!

Só tenho um lamento, gostaria muito que o garoto não tivesse morrido, no início do livro já senti que ele morreria (detalhe, como sabem eu não leio sinopses, então, não sabia que ele de fato, morreria), mas tinha uma esperança de que isso não acontecesse. Mas sem isso, não teria uma narrativa tão incrível quanto essa!

Recomendo e muito!

Valery

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *